FIQUE EM CASA

QUARENTENA / ISOLAMENTO
SOCIAL É RESPONSABILIDADE
DE TODOS

FIQUE EM CASA QUE ELE VAI EMBORA

  • 86% DOS INFECTADOS NÃO SÃO DIAGNOSTICADOS
  • 79% DAS TRANSMISSÕES ACONTECEM A PARTIR DE PESSOAS SEM SINTOMAS DA DOENÇA
  • O CONFINAMENTO FAMILIAR É A MELHOR FORMA DE CONTER O AVANÇO DA COVID-19

Espaço Cultural 2020

Datas:

28/05
25/06 | 30/07 | 27/08
24/09 | 29/10 | 26/11
17/12 (Natalina)

EVENTOS, DESTAQUES E COMUNICADOS

Clube de benefícios AMNI

Tabelas CBHPM (AMB)

PATROCÍNIO

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

PODER, ARTE E CULTURA!

“A liberdade é mais importante do que o pão!” – Nelson Rodrigues

Neste momento, no Centro Cultural do Banco do Brasil, está em curso a exposição “Nise da Silveira – a revolução pelo afeto”, com obras de ex-pacientes psiquiátricos do Museu do Inconsciente. Obras interessantes, que mostram o potencial criativo e terapêutico de pessoas consideradas inaptas mentalmente, o que demonstra um dos aspectos da arte, que é a liberdade de expressão, seja de qualquer grupo social. Até há poucas décadas atrás, eram obras a que não se davam o devido valor, e eram mesmo proibidas. Esta aceitação deriva de um processo histórico. Durante séculos, a arte ocidental esteve quase que inteiramente ligada e servindo ao poder, seja religioso (reprodução na arquitetura, escultura e pintura das passagens de Cristo e dos santos), ou do poder secular dos reis e da nobreza (escultura e quadros da nobreza). Nomes de grandes artistas, como Da Vinci, Michelangelo, Caravaggio, apesar de representarem a corrente na arte chamada de humanismo e renascimento, eram subvencionados pelos patronos e mecenas da época, que eram o poder religioso e a nobreza, e, por isto, muitas de suas obras eram produzidas sem liberdade criativa, apesar de uma pequena mudança no período. No século XVII, particularmente na Holanda, onde o mercantilismo e o capitalismo crescem, gerando um aumento crescente da burguesia, começa-se a criar um ambiente onde os artistas ampliam seus temas, visando atingir um público consumidor burguês mais diversificado. Porém, é nos fins do século XIX e em todo o século XX que a expressão de liberdade subjetiva do artista ocorre de maneira mais intensa, criando um questionamento constante entre o fazer do artista e os poderes (burgueses), que dominavam a esfera do poder político. Esse fazer artístico em suas várias vertentes questiona o poder econômico e político dominante. Movimentos artísticos como o Dadaísmo, Expressionismo, Surrealismo, Suprematismo, Abstracionismo, Concretismo, Brutalismo, a arte dos excluídos… desejam questionar toda a estrutura social e política vigente, através da arte. Estes movimentos produziam através da arte, tanto social quanto individualmente, uma arte que se apropriava de imagens distorcidas em relação à “realidade”, como expressão do que se imaginava ser a sociedade e o homem; e já não desejavam somente a reprodução “fotográfica” da imagem, mas do que os artistas imaginavam. Porém, no início do século XX até meados dos anos 40 ocorreram ações políticas de reação a esta liberdade de expressão, as quais ocorreram em dois países que foram dominados pelos extremos do espectro político:  a Alemanha nazista, de extrema direita, e a antiga União soviética, de extrema esquerda. Ambos tentaram impor controle restrito sobre a produção artística, seja através de proibições, perseguições, prisões e eliminação de artistas, além das limitações de verba para a produção de arte. Durante este período, só restaram os artistas que se alinhavam totalmente com o discurso político vigente. Na antiga União Soviética, se impunha o que se chamou de “Realismo Socialista”, onde se enalteciam figuras dos trabalhadores idealizados e de seus líderes, sempre construídos com corpos perfeitos e “fotográficos”, imaginando o futuro, dominado pelo socialismo soviético. Já na Alemanha nazista, houve todo um processo de destruição da subjetividade da arte e dos artistas, onde o objetivo era calar qualquer contestação ao sistema, associado com o enaltecimento do nacionalismo, através da construção de um passado mítico dos fundadores da Alemanha. Um dos exemplos mais significativos foi a exposição em 1937 da “ARTE DEGENERADA”, explorada do ponto de propaganda política pelos nazistas, onde as obras de artistas como Picasso, Kandinsky, Kirchner, Otto Dix, Georg Grosz, Gustav Klimt … foram expostas a fim de denegrir estes artistas. O final desta história todos sabem: a destruição da Alemanha após a segunda guerra mundial e, mais tardiamente, o colapso da União Soviética. Hoje, as expressões artísticas daquela época se tornaram exemplos de visões estreitas da arte, de anacronismo e de cerceamento da liberdade criativa. A arte, desde o final do século XIX, se tornou a expressão da subjetividade do artista, mostrando a pluralidade de formas e sentidos, talvez representando a diversidade de construção do mundo dos indivíduos e de determinados grupos sociais. Certamente, a arte no mundo atual, além do aspecto de oferecer diversão, apresenta por parte dos artistas o aspecto de provocação crítica aos diversos sistemas de poder, além da expressão emocional e experimental do artista. Com certeza, tal liberdade (em alguns momentos excessiva) gera aversão, incômodo e críticas apaixonadas, mas creio necessária do ponto de vista democrático, pois demonstra a pluralidade dos pensamentos no mundo atual, e em relação ao espectador-consumidor, que creio saberá avaliar e separar “o joio do trigo”, mantendo-se para a posteridade as obras que apresentam relevância enquanto expressão da realidade. Como exemplo da diversidade de expressões e liberdade, na cidade Suíça de Lausanne existe o chamado MUSEU DE ARTE BRUTA, onde obras de artistas “não oficiais, como também de excluídos sociais”, são incluídas no acervo daquele museu. Medidas de cerceamento das expressões artísticas, por parte do poder político e jurídico, possivelmente não terão vida longa, num mundo dominado por consumidores diversificados, ávidos por novidades, globalizado e democrático.

Material de apoio

MEUS CAROS,

Mais uma experiência do meu consultor especial Dr. Reinaldo, que continua na garimpagem de lugares legais para fazer uma boa refeição, pelo Rio de Janeiro. Hoje ele nos brindou com o Amalfitana, mais um bom restaurante do Village Mall.

A chef Julia Raposo, após uma longa temporada na Itália, trouxe em sua bagagem formação na Alma, a Escola Internacional de Culinária Italiana, além de experiências práticas em restaurantes estrelados do país.

Algumas dicas para começar o circuito são carpaccio de polvo, vinagrete de tomatinhos misto, aioli colorido com azeite de salsinha e croquetes de presunto de parma e redução de vinagre balsâmico.

Na sequência, entram em cena o risoto com ricota amalfi, figos, presunto de parma, crocante de nozes e redução de balsâmico, nhoque de batata, bisque de crustáceos, cavaquinha, tuile de tinta de lula e azeite de salsinha, os quais seduzem os paladares mais exigentes. Se optar por conhecer os itens preparados na brasa, o denver steak é sucesso na casa. Mas, se a ideia for compartilhar o que há de melhor do mar, aposte na grigliata amalfi com cavaquinha, camarão, polvo, peixe, vieira e ostras. Há ainda uma ala de pizzas no menu, com massa quadrada e crocante, típica romana. A versão vesúvio é feita com mussarela fresca, burrata, tomatinhos defumados e rúcula, bem como risotos e alguma bruschettas muito interessantes

O gran finale segue com a torta caprese de amêndoa e chocolate, servida quente com creme inglês e coulis de frutas vermelhas, o limoncello amalfi, curd de limão siciliano, bavarese de chocolate branco, pão de ló embebido no limoncello, merengue e glassatura de zest de Limão Siciliano, entre outras opções.

O bar, outra cena à parte do Amalfitana, traz muita cor e sabor para clássicos, sprits e drinques autorais. O Amalfi é feito com vodka infusionada com ervas finas, redução de abacaxi com mix de cítricos, blue triple-sec, licor de ervas bizantino, amaretto e aromas da estação. O Positano leva gin, redução de abacaxi, sumo de limão, água gaseificada e espuma de hibisco. Já o Capri é preparado com gin, Cynar Aperol, mix cítricos, Agostura Bitter e um toque de tônica.

São três espaçosos ambientes com decoração singular. No salão principal é possível admirar a cozinha envidraçada e apreciar os dotes culinários da equipe, acompanhar de perto a execução dos drinques e curtir o ambiente alegre, com mobiliário colorido e flores bougainville. A varanda interna segue a mesma linha de decoração e é ideal para acompanhar o vaivém do shopping, que recebe celebridades e empresários. O restaurante ainda conta com uma área externa, para quem prefere aproveitar a brisa da Barra da Tijuca com vista para a Lagoa de Marapendi e o ar natural, ideal para acomodar grupos maiores.

 Serviço

Amalfitana – Endereço: Avenida das Américas, 3900, Loja 304, Barra da Tijuca.

Horário de funcionamento: De domingo a quinta-feira, das 12h às 22h. Sexta e sábado das 12h às 23h.

Telefone: (21) 99416-1601. Capacidade: 120 lugares.

Formas de pagamento: todos os cartões de débito e crédito.

HISTÓRIA DA FAMÍLIA BORGHI

A Itália vivia sob o regime de Mussolini na opressão. Assim, muitos italianos saíram da sua pátria para buscar um lugar melhor para viver. A família Borghi teve a oportunidade de vir para o Brasil.  Chegando em São Paulo ficaram sabendo de uma Cidade chamada NOVA IGUAÇU, conhecida como a cidade perfume por seus vastos e amarelos laranjais: Nova Iguaçu.

Adolfo Borghi, além de Engenheiro mecânico, possuía inúmeras habilidades criativas e, percebendo a oportunidade de agilizar a beneficiação de laranjas, criou uma máquina que lavava, escovava, secava e selecionava as frutas por tamanho, dando uma característica diferenciada e valorizando o produto para a exportação.

O primogênito Jorge Borghi começou a trabalhar com o Sr. Alberto Cocozza, proprietário da Serraria Cocozza, da Vinícola São Roque e um dos maiores exportadores de frutas de nosso país. A dedicação de Jorge o fez sócio de Alberto, e assim fizeram grandes negócios; incluindo as representações da Land Rover e Jaguar no Brasil. Sempre visionário, mesmo com o declínio das plantações, onde as terras se tornaram improdutivas por conta das pragas, ele as transformou em um dos primeiros e maiores loteamentos da Guanabara nas margens do Rio Guandu, chamado Jardim Marajoara, onde os menos favorecidos conseguiram adquirir suas terras por meio de um Consórcio que ele mesmo criou.

Adriano Borghi, por conta de outra invenção de seu pai, que foi a porta pantográfica, foi convidado a se integrar na Ottis Elevadores, em São Paulo, tornando-se Presidente daquela indústria na América Latina.

Walter Borghi, o caçula, trabalhou com seu irmão Jorge, na empresa Alberto Cocozza Indústria, Lavoura e Comércio S/A (Serraria Nova Iguaçu). Muito atuante na área social da Cidade de Nova Iguaçu, foi Presidente do Rotaty Club, com muita atuação na formação e fundação da Associação Comercial e Industrial de Nova Iguaçu, sendo o primeiro Presidente do Centro Social São Vicente.

O mais importante é que esta família chegou, venceu e indiscutivelmente deu sua contribuição para o desenvolvimento de nossa cidade, tornando-se suporte para tantas outras famílias Italianas que vieram tentar a sorte no nosso imenso Brasil.

(Marcelo Borghi)

ATIVIDADE FÍSICA NA GESTAÇÃO: VISÃO DE UMA ESPECIALISTA

Atividade física durante a gestação sempre foi cercada de mitos e preconceitos com o discurso de que “pode prejudicar o bebê”. Ao longo dos anos isto vem sendo desmentido, provado na prática e comprovado pela ciência de que praticar atividade física durante a gravidez traz inúmeros benefícios tanto para a mulher quanto para o bebê.

Os exercícios físicos, que são orientados por profissionais, estão muito ligados à saúde, qualidade de vida e à disposição de qualquer pessoa, e para gestantes não é diferente. Durante a gravidez as mulheres enfrentam uma série de alterações fisiológicas e anatômicas, que podem trazer desconfortos físicos, motores e psicológicos. Com exercícios específicos e orientados, é possível diminuir e ou até evitar alguns distúrbios, permitindo que a gestante tenha uma gravidez tranquila e segura.

Pensando em enriquecer o conteúdo sobre o tema, fui buscar ajuda de uma Profissional de Educação Física especialista em atividade física para gestantes. O nome dela é Nídia Peixoto (NP) CREF 042300-G/RJ, e aqui seguem algumas perguntas que fiz a ela sobre o tema:

Atividade física na gravidez é realmente segura?

NP – Sim! Mas, deve-se seguir uma orientação médica sobre as complicações que poderão surgir durante a gestação e também a de um profissional de educação física habilitado para a elaboração e prescrição dos exercícios físicos, efetuando as adaptações necessárias. Existem alterações fisiológicas naturais do processo gestacional, que deve ser acompanhado, visando manter a segurança da gestante.

Todas as gestantes podem fazer atividade física?

NP – É indicado que a gestante pratique pelo menos 150 minutos de exercícios leves por semana, divididos em três a cinco treinos. Para as que não têm o hábito de se exercitar e estão sedentárias, o início deve ser gradual, com seções de 30 minutos, três vezes na semana, até conseguir evoluir para os 150 minutos semanais. Lembrando: Somente após a aprovação do ginecologista/obstetra.

Uma mulher estava treinando normalmente e percebeu que engravidou, como ela deve proceder?

NP – Geralmente antes de começar qualquer atividade na gravidez, em especial para as mulheres que eram sedentárias, é preciso do aval do obstetra. Entretanto, nestes casos, recomendo sempre a interrupção das atividades, para que sejam feitos todos os exames clínicos a fim de certificar-se como está a saúde da mamãe e do bebê, e assim possam ser realizadas as adaptações necessárias, mantendo a segurança e a saúde destes.

A grávida pode fazer exercício durante todos os meses da gestação?

NP – O principal é que as grávidas se exercitem desde o começo, porque alguns problemas tendem a aparecer apenas após o 7º mês de gestação. Deve-se ter muita atenção durante a gestação, o cuidado deve ser redobrado ao se exercitar. Um dos motivos é que a barriga altera o centro de gravidade do corpo, modificando o equilíbrio. Outro é que a mulher produz um hormônio chamado relaxina, que relaxa as articulações de um modo geral na gravidez. Com isto, há um risco aumentado de torções e luxações, uma vez que as articulações ficam mais enfraquecidas.

Quais os benefícios de se exercitar durante a gravidez?

NP – Em geral, a prática de exercícios durante a gestação é capaz de prevenir o diabetes, a pressão alta, o trabalho de parto prematuro e o crescimento fetal exagerado, melhorando a aptidão física, a saúde do bebê, a circulação sanguínea, a postura e reduzindo as dores.

Quais as atividades recomendadas?

NP – Caminhada, musculação, pilates, natação ou hidroginástica e treino focado no assoalho pélvico podem ser feitos regularmente.

Existem atividades a serem evitadas, ou até mesmo proibidas?

NP – Evitar atividades que possam causar a perda de equilíbrio e consequentemente impactos, como por exemplo: esportes de contato, futebol, basquete, tênis e vôlei, esqui, são alguns destes exemplos.

Se uma gestante quiser os seus serviços, como fazê-lo?

NP – Será um enorme prazer contribuir neste processo tão lindo e transformador na vida de uma mulher. Entre no meu instagram: @nidiacpeixoto. Por lá você me encontra e conhece um pouco mais do meu trabalho. Beijo grande!

PEQUENOS DISTÚRBIOS DA GRAVIDEZ

Grande parte das queixas da gestante deriva das modificações normais do organismo materno durante a gravidez. Estas merecem, na maioria das vezes, mais esclarecimento do que tratamento.

Artralgias:

Relatadas por aproximadamente 70% das gestantes, podendo piorar de intensidade com o decorrer da gestação. Resultam da diminuição da estabilidade articular por relaxamento dos ligamentos decorrentes da embebição gravídica pela ação da progesterona, e da sobrecarga da bacia e dos membros inferiores por aumento de peso e adaptação postural da gestante.

– Fatores de risco para piorar: obesidade; podem ser induzidas ou agravadas por movimentos bruscos, vícios posturais ou permanência em posições que forçam as articulações.

– Conduta: Correção da postura; evitar movimentos bruscos; praticar exercícios físicos e de relaxamento (ex.: hidroginástica, ioga); utilizar travesseiros no dorso ao sentar; evitar uso de salto alto e atividades físicas extenuantes; aplicação de calor local; usar analgésicos simples (paracetamol ou dipirona) por tempo delimitado; massagens especializadas; fisioterapia.

Obs.: em casos de lombalgia de forte intensidade, é imperioso afastar causas orgânicas (hérnia de disco, osteoartrite vertebral, osteoporose e artrite séptica) antes de atribuí-la apenas à gestação. Pode usar analgesia mais intensa (paracetamol com codeína) e anti-inflamatórios (exceto no 3º trimestre).

Câimbras:

Espasmos musculares involuntários e dolorosos que acometem principalmente os músculos da panturrilha. Mais comuns à noite (início do período de repouso) ou pela manhã (início do período de vigília, despertar).

São comuns nos últimos meses e derivam de um estiramento súbito da musculatura das pernas, possivelmente pela baixa do cálcio e elevação do fósforo sérico.

– Conduta: O uso de hidróxido de alumínio para diminuir a absorção intestinal de fósforo e a ingestão de sais de cálcio sem fósforo são medidas úteis no controle dos sintomas. Além disto, a diminuição da ingestão de fósforo pela redução do uso de leite (fosfato de cálcio) e aumento da ingesta de cálcio pela prescrição de carbonato de cálcio podem ser medidas úteis.

Devem-se evitar o alongamento muscular excessivo ao acordar, a posição sentada e ortostatismo por longos períodos. Durante as crises, o calor local, massagens e realização de movimentos de flexão e extensão do pé podem ser úteis.

Cefaléia:

A cefaleia é mais comum no início da gestação e pode estar associada a condições patológicas, como sinusite, erros de refração, enxaquecas e doenças hipertensivas (nos 2º e 3º trimestres). No entanto, a grande maioria dos casos não tem causa e melhora a partir da metade da gestação.

Decorrente da vasodilatação e edema cerebral por ação da progesterona, e da diminuição da força coloidosmótica intravascular pela hemodiluição fisiológica da gravidez. Mais intensa em pacientes com histórico de enxaquecas.

– Fatores de risco: hipoglicemia, calor, fadiga, ansiedade.

– Conduta: Aumentar ingesta hídrica; alimentar-se em períodos regulares e curtos (a cada 3 horas); evitar ambientes fechados, abafados e exposição intensa ao sol/calor; conversar com a gestante sobre tensões,  conflitos e temores; analgésicos (paracetamol, dipirona).

Obs.: medicamentos utilizados para o tratamento da enxaqueca estão contraindicados!

Congestão nasal e Epistaxe:

Resultam da embebição gravídica da mucosa nasal provocada pelos hormônios esteroides (vasodilatação, aumento da vascularização e edema de tecido conjuntivo).

Conduta:

Instilação nasal de soro fisiológico gelado

Leve compressão na base do nariz

Budesonida intranasal

Constipação intestinal:

Distúrbio funcional caracterizado pela dificuldade rotineira na exoneração dos intestinos pelo prolongado intervalo entre as evacuações (> 72h) ou pela consistência aumentada das fezes.

Decorre da atonia intestinal, em consequência da ação inibidora da progesterona sobre a contratilidade da fibra muscular lisa, dificultando a peristalse; e, na gestação avançada, da compressão das vísceras abdominais pelo útero gravídico. O retardo na progressão do bolo alimentar pelos intestinos possibilita a maior reabsorção de líquidos e consequente aumento da consistência das fezes. Pode agravar doença hemorroidária previamente existente.

– Conduta: Deve ser tratada com aumento da ingestão de fibras e água. É possível utilizar dimeticona e supositório de glicerina para o tratamento. Alimentos que formam resíduos (legumes, verduras, frutas cítricas, mamão, ameixa), laxativos à base de óleo mineral ao deitar.

Edema: edema gravitacional

Deriva do aumento da pressão hidrostática no leito venoso por compressão da veia cava inferior pelo útero gravídico. Cede normalmente à noite, com o decúbito lateral. Não está relacionado com retenção hídrica excessiva e não tem qualquer importância clínica. Não é indicado o tratamento medicamentoso para correção do edema fisiológico da gravidez. A restrição sódica e uso de diuréticos devem ser evitados.

Obs.: Deve-se atentar para a possibilidade do edema patológico, associado à hipertensão, sinal importante de pré-eclâmpsia.

– Conduta: Evitar a posição sentada por longo período e o ortostatismo prolongado. Efetuar repouso periódico em decúbito lateral e/ou com membros inferiores elevados. Uso de meia elástica.

Estrias:

Lesões dermatológicas que aparecem na 2ª metade da gestação, localizadas no abdome inferior, região glútea, coxas e mamas. Surgem como lesões lineares, levemente pruriginosas, avermelhadas e hipertróficas, e evoluem com aspecto hipocrômico e atrófico. Resultam de predisposição genética, além de alterações do colágeno (por aumento da atividade suprarrenal e elevação do cortisol livre) e efeito físico da distensão e rotura do tecido conjuntivo (formação de área cicatricial). São agravadas por situações que provocam hiperdistensão da pele, como macrossomia fetal, gestação múltipla, polidramnia e ganho ponderal excessivo.

– Conduta:

Evitar ganho ponderal súbito e/ou excessivo.

Massagens locais e cremes hidratantes não mostram resultados satisfatórios.

Ácido retinóico (tratamento de escolha de estrias recentes) é formalmente contraindicado na gravidez e na amamentação.

Gengivorragia:

Hemorragia espontânea produzida na gengiva, causada pela congestão da mucosa oral. Pode complicar com hipertrofia gengival e doença periodontal.

– Conduta:

Higienização delicada com escova de cerdas macias. Os bochechos devem ser com solução antisséptica.

Encaminhamento ao odontologista.

Hemorroidas:

São ocasionadas por um aumento da pressão venosa por compressão da veia cava inferior pelo útero gravídico. O tratamento intervencionista (escleroterapia) é contraindicado durante a gravidez.

– Conduta:

Muitas vezes os sintomas regridem com medidas simples, como uma melhor higiene local, prevenção de esforços excessivos e alimentação adequada rica em fibras para um hábito intestinal saudável. Pomadas à base de anestésicos e corticoides podem ser úteis no alívio da sintomatologia, assim como banhos de vapor.

Náuseas e Vômitos:

São comuns no 1º trimestre, sendo mais observados pela manhã, ao acordar ou após longos períodos de jejum. Pioram com estímulos olfativos ou do paladar. No entanto, em até 5% dos casos, estes episódios podem evoluir para uma forma grave: a hiperêmese gravídica. Nesta situação, a gestante apresenta vômitos incoercíveis e cursa com desidratação, desnutrição e distúrbios hidroeletrolíticos e acidobásicos.

Em casos leves, a hiperêmese pode ser controlada com dieta fracionada (menor quantidade e maior frequência de alimentação) e antieméticos.

Sua gênese está relacionada aos níveis de hormônio gonadotrófico humano, sendo bastante frequente e mais intenso nas situações de níveis elevados deste hormônio, como gestação múltipla e doença trofoblástica gestacional. Isto explica sua importante melhora com o avançar da gravidez, após 12 semanas de gravidez, ápice deste hormônio no sangue materno.

Como medidas dietéticas, podemos citar: preconizar refeições ligeiras e frequentes; incentivar ingestão de alimentos secos e ricos em carboidratos; eliminar frituras e condimentos da dieta, assim como estimular a ingesta hídrica e evitar reposição de ferro no início da gestação. Ingerir alimentos sólidos pela manhã, antes de se levantar, pode trazer algum alívio, assim como evitar ingerir líquidos durante as refeições.

Medidas farmacológicas devem ser preferencialmente utilizadas em monoterapia, sempre na menor dose possível, podendo-se incluir medicamentos anti-histamínicos (buclizina, dimenidrato, difenidramina), anticolinérgicos (escopolamina), antagonistas da dopamina (clorpromazina, prometazina, metoclopramida, droperidol), antagonistas H3 (ondansetrona), corticoterapia (metilprednisolona, hidrocortisona).

Raramente se complica com encefalopatia de Wernicke (deficiência de vitamina B1).

Nas formas mais graves desta desordem está indicada a internação hospitalar.

Pirose:

É um distúrbio muito comum, sendo leve na maioria das vezes. A pirose deve ser tratada com antiácidos. Devem ser recomendadas à gestante refeições pouco volumosas e mais frequentes. O decúbito logo após as refeições não é aconselhado. Evitar café, chá preto, mates, doces, alimentos gordurosos, picantes e irritantes da mucosa gástrica, álcool e fumo. Nas crises, pode ser de algum auxílio a ingestão de pequenas quantidades de líquidos gelados.

– Conduta:

Refeições ligeiras e frequentes

Evitar alimentos gordurosos.

Ingerir líquido gelado durante a crise.

Evitar deitar logo após as refeições.

Manter a cabeceira da cama elevada.

Terapia medicamentosa (caso necessário): Hidróxido de alumínio ou magnésio, após as refeições e ao deitar. Bloqueadores H2 e inibidores da bomba de prótons. Não utilizar bicarbonato de sódio.

Síndrome Dolorosa:

Pode ser abdominal baixa ou lombossacra. A primeira é descrita como sensação de peso no baixo ventre e na prega inguinal, em virtude da pressão do útero grávido nas estruturas pélvicas de sustentação e do relaxamento das articulações da bacia.

A dor lombar, em diferentes graus, acomete a maioria das gestantes. Cerca de 1/3 destas apresenta dor grave, interferindo na vida social e profissional. Tem origem na embebição das articulações sacroilíacas e no espasmo muscular decorrente de alterações posturais (lordose exagerada).

– Conduta:

Correção da postura, uso de cintas apropriadas.

Evitar ortostatismo e posição sentada por períodos prolongados.

Orientar períodos de descanso durante o dia para relaxar a musculatura.

Massagens especializadas, acupuntura e exercícios de relaxamento (ex.: ioga e hidroginástica) são benéficos.

Obs.: nos casos mais resistentes usar analgésicos e anti-inflamatórios (exceto no 3º trimestre).

Tonteiras e Lipotimias:

Podem ser ocasionadas por instabilidade vasomotora, hipoglicemia ou hipotensão supina. No geral, medidas profiláticas e o esclarecimento da gestante são suficientes. Preconizam-se: o fracionamento das refeições, com diminuição dos períodos de jejum; evitar ambientes quentes e pouco arejados, ortostatismo prolongado e o decúbito dorsal; sentar com a cabeça abaixada ou deitar em decúbito lateral, respirando profunda e pausadamente, melhora a sensação de fraqueza e desmaio.

 

Varicosidades:

Decorrem do aumento da pressão venosa, inatividade, diminuição do tono vascular e fraqueza congênita das paredes musculares das veias. São mais comuns nas multíparas e podem acontecer nos membros inferiores, na vulva ou na vagina. Neste último caso, podem romper-se durante o trabalho de parto e causar grandes hemorragias. A escleroterapia, assim como qualquer procedimento cirúrgico ou tratamento medicamentoso, não está indicada até o término da gravidez. Medidas paliativas que devem ser recomendadas à gestante incluem o uso de meias elásticas; evitar manter-se em posição ortostática durante muito tempo e elevação dos pés ao deitar.

Mucorreia/Leucorreia

É comum durante a gestação um aumento da secreção vaginal, que geralmente não está relacionado à condição mórbida específica. Uma maior produção de muco, assim como uma maior descamação epitelial e uma maior transudação, devido à intensa vascularização vaginal, justifica este achado.

No entanto, apesar de fisiologicamente esperado, o obstetra deve ficar atento e avaliar criteriosamente toda gestante com queixa de leucorreia, visto que pode ser também manifestação de candidíase, vaginose bacteriana ou tricomoníase.

A candidíase acomete até 25% das grávidas. Se for sintomática (prurido e desconforto), deve ser tratada preferencialmente com azólicos tópicos por pelo menos sete dias. O tratamento oral é contraindicado. Há infecção recidiva com frequência, mas tende a desaparecer com o fim da gestação.

A vaginose bacteriana é causada pela Gardnerella vaginalis e por anaeróbios. Acomete 10-40% das gestantes e é associada a parto prematuro e amniorrexe prematura. O tratamento é reservado às gestantes sintomáticas, sendo a queixa mais comum o corrimento fétido (odor de peixe). O tratamento de escolha é o metronidazol, sendo que sua apresentação oral deve ser evitada no 1º trimestre. A clindamicina é outra opção, que vem sendo questionada em estudos mais recentes.

O Trichomonas vaginalis pode ser isolado em cerca de 20% das gestantes durante o pré-natal. A infecção sintomática (corrimento fétido e bolhoso acompanhado de irritação e prurido) é bem menos frequente. O tratamento com metronidazol costuma ser eficaz. Também está associada à prematuridade e amniorrexe prematura.

COMO PODEMOS SENTIR A DESINFORMAÇÃO?

É curioso como cada um sente o passar do tempo e como a tecnologia colabora consideravelmente para a aceleração de tudo. Não só o tempo parece acelerado, mas a forma como se recebe e absorve informações também sofreu uma grande transformação. Toda esta aceleração aliada à quantidade e à qualidade das informações acabam compondo o cenário perfeito para algo muito atual que merece um olhar atento: a desinformação.

Segundo Enrique Muriel-Torrado, pesquisador, bibliotecário e professor no Departamento de Ciência da Informação do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na área da Ciência da Informação, a “desinformação é a informação falsa e deliberadamente criada para prejudicar uma pessoa, um grupo social, uma organização ou um país”. A partir desta definição, a reflexão a respeito do que é veiculado como verdadeiro é primordial e a partir deste ponto, no qual a desconfiança vem antes da confiança, saber verificar as fontes de informação passa a ser fundamental para que informações falsas não sejam disseminadas como reais, verdadeiras e seguras. Ainda segundo Enrique Muriel-Torrado, existem mais dois conceitos que se diferenciam da desinformação. São eles: a má informação e a informação incorreta. A má informação é aquela baseada na realidade, mas usada para causar danos a uma pessoa, organização ou país e a informação incorreta é uma informação falsa, porém sem ser criada com a intenção de causar algum dano.

Verificar as fontes de informação não é uma prática simples, muito menos aplicada por todos. Na maioria das vezes, as pessoas acreditam no que ouvem ou no que leem sem questionar. Não há como negar que a desinformação está de braços dados com as Fake News, que são notícias falsas publicadas por veículos de comunicação como se fossem informações reais, e que elas têm o potencial de se espalhar de maneira avassaladora. Tudo isto é bem evidente na realidade das redes sociais e dos aplicativos de mensagens instantâneas como o Facebook, o Instagram e o Whatsapp, por exemplo. Estas redes produzem tanta informação que parecem não ter mais fim. Além disto, têm a capacidade de influenciar de maneira intensa o comportamento dos seus usuários, tanto é que existe a profissão de influenciador digital, já que a atuação destes profissionais se dá no ambiente digital. Como estas redes são alimentadas de informações de forma muito intensa e veloz, aumenta a dificuldade em saber o que é verdade e o que não é. O comportamento de reproduzir algo sem veracidade mostra a ausência de uma análise crítica do que está sendo lido e compartilhado. Fatores que podem ser utilizados para justificar esta realidade são a intensidade do fluxo de informação e a falta de cuidado e atenção à leitura.

Vale também a reflexão a respeito de formas mais sutis de desinformação, porém muito presentes nas vidas das pessoas. Um destes exemplos é quando se busca um filme de forma “aleatória” num streaming como a Netflix. Além de existir um recorte para cada usuário a partir dos filmes, documentários e séries que cada usuário assiste, caso se queira achar algo novo procurando pelas opções que aparecem, parece uma busca sem fim. Os aplicativos de filmes e séries seguem a mesma linha, dificultando a recuperação do que os usuários desejam. O uso da internet, dos sites de busca e das redes sociais é feito de forma individual. No meio digital, existem algoritmos que recuperam a informação e a fazem aparecer para cada usuário de acordo com seus gostos, curtidas e interação. Os streamings de música como o Spotfy e o Deezer também recuperam músicas de acordo com o gosto do usuário. Por exemplo, se uma lista previamente feita pelo usuário termina, o próprio Spotfy ou Deezer continua tocando músicas altamente relacionadas às preferências do usuário.

Mais uma vez a aceleração do tempo e da forma que se vive se traduz em uma produção informacional extremamente intensa. O ambiente digital reflete este fato porque a sua dinâmica é exatamente esta: muito conteúdo, muita interação e, se não houver muito cuidado e um pensamento crítico desenvolvido por parte dos usuários ao produzir, consumir e compartilhar as informações, o resultado é um mar de desinformação, além de um condicionamento e interação de forma automática. A parte ética também deve ser pensada nesta dinâmica de produção, consumo e compartilhamento de informações. Aliás, a ética sempre deve ser lembrada!

A discussão é longa a respeito do uso da informação. Vale sempre lembrar que a falta de atenção e cuidado ao lidar com a informação traz consequências muito sérias, por vezes desastrosas para a realidade fora do universo digital, bem como para a construção da sociedade e do conhecimento.

OCLUSÃO X ALTERAÇÕES POSTURAIS

Pesquisas permitem constatar que alterações na oclusão modificam a postura corporal do indivíduo, assim como o equilíbrio postural.

A relação entre o posicionamento da mandíbula e o maxilar do paciente foi classificada por Angle, com base no posicionamento dos primeiros molares e são classificadas em Oclusão Classe I, Classe II e Classe III.

Ao diagnosticarmos casos de má oclusão, há a obrigação de considerar, em primeiro lugar, a relação mesiodistal dos maxilares e arcos dentários, indicada pela relação dos primeiros molares inferiores com os primeiros molares superiores – as chaves de oclusão; e, em segundo, as posições individuais dos dentes, cuidadosamente anotando suas relações com a linha de oclusão.

CLASSIFICAÇÃO DE ANGLE:

Classe I – arcos dentários em relação mesiodistal normal.

Classe II – arco inferior distal normal em sua relação com o arco superior.

  • Divisão 1– Distal bilateralmente, com incisivos superiores em protrusão. Originariamente, pelo menos, associada à respiração bucal.
  • Subdivisão –distal unilateralmente, com incisivos em protrusão. Originariamente, pelo menos, associada à respiração bucal.
  • Divisão 2 –distal bilateralmente, com incisivos superiores em retrusão. Respiradores normais.
  • Subdivisão –unilateralmente distal, com incisivos superiores em retrusão. Respiradores normais.

A postura e seus efeitos álgicos (dores) ou disfunção postural pode ser medida. O equilíbrio postural é analisado na plataforma estabilométrica, através de estímulos sobre a boca, onde serão observadas alterações sobre os pés. Faça uma avaliação e descubra mais sobre sua postura.

Quando feito o diagnóstico de gestantes de retrognatismo (Classe II) numa ultrassonografia na gravidez, começamos a cuidar para corrigir o posicionamento da mandíbula, nas primeiras mamadas, colocando os bebês para fazerem sua amamentação perpendiculares ao corpo de sua mãe, de frente para os seios. Estimulando que tenham que projetar a mandíbula para frente e para baixo, visando facilitar a sucção do leite materno.

As dificuldades de amamentação nesses casos podem ser decorrentes da dificuldade do bebê abrir a boca suficientemente para abocanhar todo o complexo aréolo-mamilar. O que acarreta dor, fissuras ou dificuldades para ordenhar o leite. Nestes casos, há algumas orientações para auxiliar a mãe:

– Amamentar em posição de cavaleiro (com o bebê sentado entre as pernas da mãe).

– Apoiar o queixo com o indicador e o polegar (posição de Dancer), permitindo a movimentação mandibular.

– Amamentar com a mãe deitada de costas (decúbito dorsal) e o bebê por cima (decúbito ventral), com a cabeça levemente para trás (estendida).

– Realizar compressão na mama para auxiliar o bebê na ordenha do leite.

– Caso o bebê fique irritado, realizar ordenha manual e oferecer o próprio leite no copo, xícara ou colher.

– Utilizar a técnica da translactação, que favorece o fluxo de leite até que o bebê consiga uma pega melhor, realizando relaxamento na musculatura dos lábios, bochechas e promovendo abertura mandibular.

Importante: não utilizar bicos artificiais (chupeta, mamadeira ou intermediário de silicone), pois os movimentos mandibulares não favorecem o crescimento mandibular horizontalmente, além do risco de provocar confusão de bicos e desmame precoce.

Recomendar à mãe que mantenha a aréola sempre macia; se necessário, realizar massagem e ordenha nesta região para favorecer a pega do bebê antes da mamada.

Rua Dr. Thibau nº 80 sala 807 Centro Empresarial Vianense, centro da Cidade de Nova Iguaçu.
Consultas pelo telefone, ligando para: (21) 26672295. (21) 964965303.
Jurandir Lima Filho
– CIR. DENTISTAS REABILITAÇÃO JK –  IMPLANTODONTISTAS ­­­-

COMO O EXERCÍCIO PODE AJUDAR A MANTER NOSSA MEMÓRIA NÍTIDA?

COMO O EXERCÍCIO PODE AJUDAR A MANTER NOSSA MEMÓRIA NÍTIDA?

A IRISINA, um hormônio produzido pelos músculos durante o exercício,  pode entrar no cérebro e melhorar a cognição, sugere um estudo com ratos.

Um novo estudo intrigante mostra como os exercícios podem melhorar a saúde do cérebro. O estudo foi em ratos, mas descobriu que um hormônio produzido pelos músculos durante o exercício pode passar para o cérebro e melhorar a saúde e a função dos neurônios, tornando melhor o pensamento e a memória em animais saudáveis e naqueles com uma versão roedora da doença de Alzheimer.

Pesquisas anteriores mostram que as pessoas produzem o mesmo hormônio durante o exercício e, juntas, as descobertas sugerem que o movimento pode alterar a trajetória da perda de memória no envelhecimento e na demência.

Já temos muitas evidências de que o exercício é bom para o cérebro.

Estudos em pessoas e animais mostram que o exercício estimula a criação de novos neurônios no centro de memória do cérebro e, em seguida, ajuda as novas células a sobreviver, amadurecer e se integrar à rede neural do cérebro, onde podem ajudar no pensamento e na memória.

Estudos epidemiológicos em grande escala também indicam que pessoas ativas tendem a ter muito menos probabilidade de desenvolver a doença de Alzheimer e outras formas de demência do que pessoas que raramente se exercitam.

Mas como o malhar afeta o funcionamento interno de nossos cérebros em um nível molecular? Os cientistas especularam que o exercício pode alterar diretamente o ambiente bioquímico dentro do cérebro, sem envolver os músculos.

Em 2012, alguns desses pesquisadores, liderados por Bruce M. Spiegelman e outros, identificaram um hormônio anteriormente desconhecido produzido nos músculos de roedores de laboratório e nas pessoas durante o exercício e depois liberados na corrente sanguínea.

Eles chamaram o novo hormônio de irisina, em homenagem ao deus mensageiro Iris na mitologia grega.

Tomados como um todo, estes novos experimentos sugerem fortemente que a Irisina é um elemento chave para “vincular o exercício à cognição”.

Também pode algum dia ser desenvolvido como um medicamento.

SAIBA COMO AS EMPRESAS PODEM ECONOMIZAR EM TRIBUTOS COM A UTILIZAÇÃO DA REVISÃO FISCAL

Sua empresa faz a revisão fiscal para economizar nos tributos? Pode parecer estranho, mas muitos negócios, desde os pequenos até os grandes, podem estar pagando mais tributos do que deveriam.

Alguns dos motivos para tal são: a escolha de um regime de tributação que não é o mais adequado, erros no cálculo de tributos – que ocasionam pagamentos mais caros do que o correto – e os atrasos e erros em pagamentos, que podem gerar multas. Por todos estes motivos, fazer a revisão fiscal é crucial. Continue lendo o post e entenda como ela pode ajudar a empresa a economizar.

A revisão fiscal pode ser definida como a análise dos principais processos tributários e fiscais em uma empresa. O objetivo é garantir que sejam adotadas as melhores práticas no cálculo, recolhimento e declaração dos tributos. O grande desafio é que este processo é bem trabalhoso. Não somente a malha tributária brasileira é complexa, mas está sempre mudando. Some-se a isto todo o trabalho que os profissionais têm e dificilmente existe tempo hábil para fazer a revisão. Por conta disto, é possível que sua empresa esteja pagando mais do que o necessário.

Na prática, a revisão fiscal envolve diversos processos:

  • Cálculos tributários
  • Escrituração fiscal
  • Pagamentos de impostos
  • Envio de obrigações acessórias
  • Emissão de notas fiscais

Portanto, todos estes procedimentos são checados em um período de 5 anos, para garantir que as informações passadas estão corretas. Além disto, o processo busca fazer os pagamentos de tributos sem erros, nem para mais, nem para menos. Por fim, também busca detectar créditos fiscais que podem ser aproveitados. Para encontrar estas respostas, é preciso fazer estudos acerca da lei brasileira, destacando todas as mudanças no período e como elas afetam o negócio. É destacado um profissional de contabilidade ou uma equipe de auditoria externa para fazê-lo.

Um dos principais benefícios da revisão fiscal é a recuperação de créditos tributários. Com eles, sua empresa pode solicitar descontos ao fisco nas próximas obrigações. Além disto, ajuda o negócio a entender se está 100% alinhado com as leis vigentes, garantindo economia de dinheiro e poupando muita dor de cabeça. Outro ponto importante é garantir que a empresa não está pagando tributos a mais e que o regime de tributação é o mais adequado. Como as regras e alíquotas mudam frequentemente, este problema é muito comum.

Além disto, pode passar despercebido por muitos anos, se ninguém conferir os números e perceber algo errado. Por fim, a revisão fiscal também pode ajudar sua empresa a ter mais conhecimentos sobre o próprio negócio. Ou seja, você tem um panorama mais completo e preciso de como é feito o pagamento de tributos. Tudo isto ajuda a sua empresa a economizar no curto, médio e longo prazo. Estes recursos podem ser reinvestidos a fim de ajudar o negócio a crescer, prospectar clientes e muito mais.

BRINDES COMO FORMA DE RECONHECIMENTO

Com a aproximação do final do ano, os eventos corporativos se tornam cada vez mais comuns. Neste sentido, uma questão que pode ser bastante explorada pelas empresas é a distribuição de brindes aos seus clientes, fornecedores e colaboradores, sendo que, embora muitos empresários não tenham esta percepção, esta é uma excelente estratégia de marketing.

Às vezes, o investimento pessoal como dar respeito, tempo, consideração é muito mais eficaz do que o valor econômico. O significado do brinde depende de nossas intenções, tratamento e expectativas.

 

Os brindes podem ter várias funções dentro da estratégia promocional de uma empresa, que são:

– Lembrança da marca: Quando os brindes acompanham as pessoas em vários momentos da sua vida profissional. Serve para fidelizar e ajuda a manter o reconhecimento da marca perante seu público-alvo. Por exemplo: uma agenda, uma caneta ou um chaveiro.

– Agradecimento: Quando os brindes sugerem agradecimento por um bom ano de relacionamentos.

– Abertura de negócios: Quando os brindes pretendem facilitar o contato inicial com um cliente ou então manter o relacionamento enquanto se está em negociação.

– Reconhecimento: Quando os brindes são uma forma de reconhecimento da importância do cliente/colaborador para a empresa.

 

E a composição dos brindes dados pela empresa pode ser diferente para cada uma das funções acima, levando-se em consideração: o público-alvo, o posicionamento da marca e os resultados esperados da ação.

O cliente percebe que a empresa se preocupou em investir um pouco mais, para poder de forma carinhosa presenteá-lo. Desta maneira se mostra o quanto a marca possui valor e quanto considera importante a boa relação entre comprador e vendedor, patrão e funcionário.

Mas nesses anos no mercado gráfico, percebemos que muitas empresas direcionam sua estratégia de distribuição de brindes apenas entre os clientes. Afinal, o principal objetivo é atrair novos clientes e fidelizar os já conquistados. Mas, por que não distribuir brindes entre os colaboradores?

Em muitos casos, a chave para obter bons resultados começa dentro da própria empresa. Investir em ações internas é o primeiro passo na construção de colaboradores motivados. É muito importante que os funcionários estejam engajados com os objetivos da empresa. Já que estas são as primeiras pessoas a terem contato com a marca, sendo assim, é essencial que acreditem no produto ou serviço oferecido pela empresa que trabalham.

Dar brindes, especialmente quando são de boa qualidade e personalizados, cria um sentimento de valorização por parte dos colaboradores, além de promover uma sensação de pertencimento e conexão com a equipe.

Estes sentimentos se traduzem na maneira como os funcionários desempenham suas funções e na qualidade do serviço que prestam às partes interessadas, clientes e prospects.

 

Três motivos para oferecer brindes criativos para funcionários:

  1. Aumentar a motivação dos colaboradores 

Os brindes corporativos podem ser usados para premiar o desempenho dos colaboradores.

Esta prática de valorização do trabalho por meio da distribuição de brindes deve ser regular e frequente. Afinal, quem não gosta de ter seu trabalho reconhecido?

Assim, os colaboradores sentirão que os esforços empregados ao longo do mês ou ano são valorizados pela empresa. Isto aumenta a motivação individual e coletiva dos funcionários, resultando em uma performance cada vez melhor.

  1. Transformar os colaboradores em divulgadores

Quando o colaborador recebe um brinde e gosta do item, a tendência é mostrar para sua família, amigos e colegas de trabalho. É neste momento que ele atua como divulgador da marca, levando sutilmente para outras pessoas as qualidades e diferenciais da empresa.

O impacto da divulgação por brindes pode ser grande, pois ele transitará em diversos espaços. Pensando nas redes sociais, os usuários podem, espontaneamente, divulgar os brindes que receberam com sua rede de seguidores. Esta é mais uma chance de fortalecer a imagem da marca e atrair novos clientes.

  1. Marcar momentos importantes

No dia a dia das empresas, ocorrem muitos acontecimentos importantes que acabam não ganhando as devidas celebrações. No final do ano as empresas verificam as metas atingidas e comemoram os objetivos alcançados.

Para marcar os momentos importantes, a distribuição de brindes também é uma boa ferramenta. Aliada à valorização dos colaboradores, os brindes e troféus podem ser distribuídos nas datas comemorativas e nos eventos corporativos das empresas.

A utilização dos brindes não se limita apenas a este tipo de celebração. Eles podem ser usados em ocasiões como aniversário da empresa, em visitas a possíveis clientes ou parceiros, e em lançamento de produtos ou serviços.

Com a distribuição de brindes, diferentes ocasiões e eventos podem ampliar seu significado e importância. E isto contribuiu diretamente para o aumento do desempenho dos colaboradores.