CISBAF PARTICIPA DO ENCONTRO NACIONAL DE CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS

Marcelo Reis, Rosangela Bello e Carlos Eduardo levam experiência e trazem inovações para o Consórcio

Buscar inovações para a Saúde da Região da Baixada Fluminense. Este foi um dos principais objetivos da participação do Cisbaf – Consórcio Intermunicipal de Saúde da Baixada Fluminense no Encontro Nacional de Consórcios Intermunicipais, realizado no dia 06 de novembro, em Brasília. Para ampliar os conhecimentos específicos, o Consórcio levou uma equipe técnica formada pela Secretária Executiva, Rosangela Bello; pela Diretora Técnica, Márcia Cristina Ribeiro; pelo Diretor Administrativo e Financeiro, Carlos Eduardo Ribeiro; pela Coordenadora da Comissão Permanente de Licitação, Paula Porto; e pelo Coordenador do Controle Interno, Marcelo Reis.

Para Rosangela Bello, o encontro representa mais uma excelente oportunidade para debater os desafios do segmento e trocar experiências de sucesso. “O evento congrega consórcios intermunicipais de todo o país que atuam nas mais diferentes áreas, daí a riqueza da discussão e das propostas. É, sem dúvida, um espaço onde a gente leva a nossa bagagem acumulada de quase 20 anos atuando na saúde pública da região e traz ideias inovadoras, assim como fortalece as relações com as demais entidades”, comenta.

REALIDADE E ACEITAÇÃO

REALIDADE E ACEITAÇÃO

Você já se atreveu a questionar a realidade da vida humana? Já tentou questionar tudo aquilo que lhe ensinaram desde criança como a absoluta certeza sobre a vida, a morte e a vida após a morte? Pois aqui vai um pouco do meu pensamento sobre a jornada neste mundo, uma busca por uma verdade ou pelo menos a aceitação da realidade.

Durante a vida de todo ser humano chegamos aos questionamentos básicos como: Quem sou? De onde vim? Para onde vou?… Tais questionamentos são consequência da nossa própria evolução, que nos tornou criaturas curiosas e insaciáveis por encontrar uma resposta para tudo no mundo e, sim, é realmente angustiante não saber responder alguma coisa, ao ponto de que preferimos inventar uma resposta a não ter nenhuma resposta. E é justamente por causa desta necessidade de respostas que muitas vezes simplesmente aceitamos respostas prontas dadas a nós desde criança. Mas em algum momento da vida essas respostas não me pareciam muito coerentes com a forma que eu mesmo levava a vida e tratava os problemas. Questionar a realidade tornou-se uma possibilidade e com ela a percepção de que as coisas podem não ser como me foram ensinadas.

Entender a necessidade de prova e de teste pôs em cheque todos os meus conhecimentos sobre religião, crenças ou filosofias superficiais que nos levam à vida, logo tudo aquilo que acreditava parecia falso ou ao menos insuficiente. Num universo onde nada pode ser provado ou contestado, em um mundo onde nada é eterno ou, se é que existe com algum propósito, a ideia de morte e que a vida não tem sentido me vieram à mente.

Negação, no instante em que se percebe que suas “verdades” podem não ser verdades e perceber que seus maiores medos podem ser reais, a negação foi a minha reação mais natural. Se dizer que tudo isso é uma grande besteira, que é melhor acreditar nisso ou simplesmente negar que chegou a cogitar isso pode funcionar por um tempo, mas ao passo que sua mente já se abriu para a possibilidade da realidade pode ser diferente do que julgar que suas crenças ou filosofias seja um caminho sem volta. Essa discussão não se passa em um dia ou em um mês, é uma jornada de décadas até você vencer o medo e abrir os olhos para tal realidade, que pode ser assombrosa.

No tempo que sucede este conflito interno o desespero de não querer ver pode tomar conta de você e todas as frases prontas ouvidas a vida toda ficam se repetindo indefinidamente, querendo silenciar a possibilidade de existir algo diferente, afinal “o homem sem Deus é um animal” ou “na dúvida, é melhor fazer isso por que imagina se…” ou ainda “tem que existir algo além disso, se não nada faz sentido…” ou ainda “tem que existir algo se não a vida não tem sentido” mas precisa? – Opa não, não, não, não, é claro que existe algo além! É claro que existe! Eu acredito! Eu tenho fé! Eu tenho fé!…

Não. Não existem garantias, não existem provas, não existem certezas além das que você mesmo escolhe acreditar, mas perceber a incerteza da realidade e que na verdade nada pode ser ignorado ou descartado pode ser libertador.

Aceitação. Este é o ponto que poucos aceitam passar – para mim foram décadas – aceitar, que a realidade pode não ser o que pensamos ou o que desejamos, pode ser tão doloroso que viver na ignorância negando a realidade e se fechando numa caixa de certezas absolutas é o único caminho aceitável. Mas, entender que talvez não exista nada após a morte, não precisa ser algo desesperador, na verdade se permitir pensar sobre o assunto pode ser libertador.

Perceber a finidade do ser humano, suas limitações e sua mortalidade me faz entender o quão importante é estar vivo aqui e agora. Somente teremos esta oportunidade e esta é a certeza que tenho, todo o resto é possibilidade. Então, viver o aqui e o agora, fazer o bem, aproveitar a vida e ser feliz é algo muito mais importante do que ritos e tabus. Aceitar a morte não precisa ser algo triste ou desesperador, é simplesmente algo triste como o fim de um bom livro que temos ou nos despedir daqueles personagens que acompanhamos por tanto tempo e aprendemos a gostar. Alguém que cruzou nosso caminho, vimos cair, vimos chorar, vimos sorrir, por quem torcemos, por quem sofremos e nos orgulhamos. Cumpriu seu objetivo, venceu seus próprios desafios e, finalmente, como estar lendo a última página de seu livro, percebemos que esta história chegou ao fim.

Por Ronaldo C. Diniz

PELA VALORIZAÇÃO DO MÉDICO

Luiz Antonio Teixeira Jr.

O ingresso na faculdade de medicina é dos vestibulares mais difíceis que existem. Quem consegue ser aprovado para uma universidade pública, passa por um funil que chega a ter 115,2 candidatos por vaga, como no caso da Medicina na USP.

Quem não tem a sorte de estudar numa pública e opta pelas universidades privadas tem de arcar com mensalidades que muitas vezes chegam a dois dígitos. Tudo é caro na formação do médico. Dos livros ao jaleco; o tempo dedicado a intermináveis horas de estudo, a necessidade de se atualizar num mercado que não para de avançar; a participação em seminários, congressos: trata-se de um investimento enorme e uma dedicação que só aqueles que realmente têm amor pela medicina são capazes de suportar. Por outro lado, não há profissão mais gratificante, que tem o poder de curar, de salvar uma vida, de diminuir um sofrimento. Mas, ao contrário do que diz a propaganda, isso tem um preço.

No entanto, a cada dia que passa, o retorno desse investimento fica mais distante. A desatualização dos honorários médicos, tanto na saúde privada quanto pública, é uma realidade incontestável. A tabela SUS não é modernizada há décadas. Não apenas os valores estão defasados: procedimentos que nem existem mais, tão velhos que ficaram, continuam listados, enquanto outros que surgiram não estão relacionados. A residência médica, fundamental na formação prática de especialistas, está sendo esvaziada, a ponto de 30% das vagas estarem hoje ociosas.

A bolsa de um residente, por exemplo, é quatro vezes menor do que ganha um médico sem CRM, formado no exterior, contratado pelo programa “Mais Médicos”.  Por isso, apresentei dois projetos voltados ao fortalecimento da Residência. O primeiro iguala o valor da bolsa dos residentes aos salários pagos pelo Mais Médicos. O segundo propõe a transferência da Comissão Nacional de Residência Médica do Ministério da Educação para o Ministério da Saúde.

Outras ameaças à carreira são a teleconsulta, que vai contra toda a boa prática médica e visa a precarizar a relação médico-paciente; a proliferação de cursos de medicina sem qualificação pelo país e a expansão do número de médicos formados em países vizinhos que, sem o preparo necessário à função, vêm atuar em nosso país. Para eles, defendo um rígido exame de Revalida a cada seis meses, para que tenhamos médicos, ainda que formados no exterior, mas com a devida qualificação para atuar aqui.

Eu, como médico que sou, estou deputado. E, como tal, por conhecer profundamente o setor – onde trabalho como gestor privado há anos e onde tive a oportunidade de ser secretário municipal e de estado de Saúde – tenho dedicado parte do meu mandato para tentar ajudar a corrigir as enormes distorções que afetam hoje o exercício da medicina no Brasil. E elas são muitas.

Após uma discussão dura na Comissão Mista que discute a MP que trata do programa “Médicos pelo Brasil”, consegui aprovar uma emenda no relatório que será votado em plenário para que a gratificação dos médicos federais concursados seja equiparada com as das demais carreiras médicas de nível superior do Ministério da Saúde.

Não faço isso por espírito de corpo, mas por saber que a valorização do médico impacta positivamente no serviço que é prestado à população, na ponta. Porque, da mesma forma que a Saúde no Brasil tem que deixar de ser tratada pelo foco da doença – mas pelo da prevenção – os médicos devem ser vistos como agentes fundamentais na melhoria das condições de vida da população do nosso País.

DERMATITE ATÓPICA EM ADOLESCENTES ESTÁ ASSOCIADA A DEPRESSÃO E BULLYING

DERMATITE ATÓPICA EM ADOLESCENTES ESTÁ ASSOCIADA A DEPRESSÃO E BULLYING

Jovens perdem, em média, 26 dias de aula por ano devido às crises e sentem a autoconfiança abalada

Viver com dermatite atópica pode levar a um sofrimento que vai além do que se vê na pele. Em adolescentes, cuja estrutura psicológica ainda está em formação, estudos indicam que a doença está associada a quadros de depressão, bullying e ideação suicida, além de autoconfiança comprometida. Por isso, seguir com o tratamento adequado contínuo é essencial para se ter qualidade de

O que é dermatite atópica

De fato, a dermatite atópica (DA) não é contagiosa. Trata-se de uma doença crônica e genética caracterizada por pele seca, lesões que coçam muito e crostas. Nesta doença, o sistema imune reage de forma exagerada a qualquer fator externo alergênico, propiciando a coceira intensa e o aparecimento das lesões.

Além disso, há um defeito genético na estrutura da pele. As células que deveriam estar bem juntas, formando uma barreira protetora, estão mais espalhadas na DA, com uma camada frágil que permite a entrada de fatores prejudiciais.

“Uma pessoa pode sensibilizar por inúmeros fatores: ácaros, pele de animal, fungo, pólen, alimentos. Essa pele inflamada fica muito reativa e sensível a fatores irritantes e até roupa ou suor pode dar coceira .

Outros gatilhos para a crise são infecções e estresse.

A dermatite atópica é a mais comum das doenças crônicas da infância, sendo mais frequente nessa fase, mas pode aparecer em qualquer momento da vida. “Quanto mais grave, mais chance de persistir ao longo da vida.” O diagnóstico é clínico e se difere de outras doenças de pele pela apresentação típica.

Enquanto na dermatite atópica as lesões aparecem nas dobras internas de braços e pernas e há muito coceira, na psoríase, por exemplo, ocorrem mais placas nas dobras externas, como cotovelos, que não coçam muito. As formas graves são mais comuns em adolescentes e adultos, cujas lesões se generalizam pelo corpo, enquanto as leves predominam na infância.

Rinite, asma e alergia a alimentos ou fatores ambientais estão associados à DA

O fato de essas enfermidades fazerem parte do mesmo grupo genético explica a relação entre elas. pessoas com dermatite atópica têm 50% de chance de evoluir com asma, mas o risco só existe até a adolescência.

Impactos socioemocionais da dermatite atópica

A ausência escolar é um problema significativo na vida de adolescentes que convivem com dermatite atópica. Um estudo identificou que adolescentes entre 14 e 17 anos de idade têm, em média, 7,5 crises por ano e faltam à aula 3,5 dias em cada crise. No total, são pouco mais de 26 dias de aula perdidos no período.

Questões emocionais relacionadas à doença são ainda mais preocupantes. O mesmo estudo mostrou que quadros de depressão estão presentes em 52% desses jovens e 39% relatam ter sido vítimas de bullying por causa da DA em algum momento da vida. Durante as crises, metade deles se preocupa com serem vistos em público e 36% dizem que têm a autoconfiança abalada.

“É a fase mais difícil, fase de aceitação. Os casos moderados e graves mexem com a autoimagem, tem interferência no sono muito grande, e isso gera instabilidade emocional. O impacto é maior do que na fase adulta, porque a estrutura psicológica [do jovem] ainda não está bem formada e a autoestima é péssima”.

A questão emocional pode se tornar ainda mais complexa. Outro estudo feito com 3.775 pessoas entre 18 e 19 anos concluiu que 15,5% daquelas com eczema reportaram ideação suicida comparados com 9,1% dos que não tinham o problema de pele. Quando a doença estava associada à coceira, a ideação suicida estava presente em 23,8% dos jovens.

O acompanhamento psicológico profissional é essencial nesses adolescentes para que eles entendam e consigam lidar com todos os seus problemas além da doença.

Tratamento para dermatite atópica

O tratamento para DA se dirige a duas frentes: recuperação da pele e terapia medicamentosa para conter crises. A primeira deve ser feita diariamente, com banhos em água morna para não ressecar ainda mais a pele, menos sabonete possível e aplicação de cremes hidratantes. É preciso também afastar fatores desencadeantes das crises.

Já a terapia medicamentoso consiste no uso de cremes com ação anti-inflamatória, com ou sem corticoide, dependendo do tipo de lesão pois são muito  eficientes em casos leves da dermatite atópica e podem ser insuficientes para níveis moderados e graves. Nesses últimos, o que se costuma usar são imunossupressores, que controlam a inflamação, mas diminuem muito a resposta imunológica.

Atualmente, existe um imunobiológico que age no centro da inflamação,  e reduz os efeitos colaterais ou adversos.

“Tem duas moléculas que regem toda inflamação, as IL-4 e IL-13. Esse anticorpo bloqueia essas moléculas, que também agem na barreira da pele. Quando bloqueia, a própria pele se recupera”. Esse medicamento, do princípio ativo dupilumabe, foi aprovado pela agência reguladora dos Estados Unidos em 2017 e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no ano passado. Recentemente, o órgão aprovou a extensão do uso para o tratamento de pacientes a partir de 12 anos com dermatite atópica moderada a grave.

“A aprovação também para adolescentes é mais um passo para a melhora da qualidade de vida desses pacientes que sofrem com essa doença e apresentam sintomas por vezes debilitantes, como as erupções cutâneas e a coceira crônica”.

Escrito por Dr.ª Cynthia de Souza Meyrelles

PATRONATO – CENTRO SOCIAL SÃO VICENTE DE PAULA: COM A MISSÃO DE AJUDAR O PRÓXIMO

PATRONATO – CENTRO SOCIAL SÃO VICENTE DE PAULA: COM A MISSÃO DE AJUDAR O PRÓXIMO

A cidade está na contagem regressiva para receber a 26ª edição do Arraiá d’Ajuda, nos dias 7, 8 e 9 de junho, no Shopping Nova Iguaçu. A festa realizada pelo emblemático Patronato São Vicente de Paula tem toda a sua renda revertida para as ações sociais da Instituição. Ela acontece durante três dias apenas, mas é fruto de um incansável trabalho que dura o ano inteiro e que merece ser conhecido e prestigiado. Em especial pelos próprios moradores de Nova Iguaçu.

Com 60 anos de história, o Patronato foi criado originalmente como um orfanato, função que cumpriu por um bom tempo. Nos anos 2000 ficou fechado por seis meses para limpeza, organização e para receber um grupo que daria novo destino ao imóvel. Sob a liderança de Idalina Quintella Bottari, o Patronato renasceu como uma creche para a garotada de dois a cinco anos. Recomeçou com apenas 30. Hoje, lá dentro, são nada menos do que 294 crianças vindas de famílias de baixa renda assistidas pela Instituição. E, lá fora, uma interminável fila de espera para conseguir uma vaga.

A procura não é para menos. Das 7h30m às 17h30m, os pequenos têm contato com as letras, números, cores e ensinamentos dentro dos princípios educacionais baseados no referencial teórico pedagógico de Maria Montessori. Além disso, fazem quatro boas refeições por dia. No total, são 24.200 refeições servidas mensalmente aos pequenos. Tudo gratuitamente. Dona Idalina, como é carinhosamente chamada por todos, diz que se sente motivada a trabalhar para que as pessoas tenham orgulho de ter em nossa cidade uma casa como o Patronato, cuja missão é atender de uma maneira gentil e acolhedora as pessoas que estão numa situação menos favorecida no momento.

– Costumo dizer que ter menos condição financeira não torna ninguém melhor ou pior. É apenas uma experiência, uma maneira de viver que não o desqualifica. Nosso trabalho é levantar a autoestima dessas famílias, mostrar a elas que podem atingir seus objetivos com dignidade, encorpar essas famílias, fazendo-as se engrandecerem e tomar posse de suas vidas. Aí sim você as coloca na sociedade – explica a Presidente da Instituição, que questiona ainda o valor que se dá ao dinheiro quando este não tem um objetivo. – Afinal, dinheiro serve pra quê? Na minha opinião, ele só tem valor quando utilizado de uma maneira boa, fazendo você e os outros ao seu redor felizes. A gente só consegue ser feliz à medida que os outros também são.

Do alto de seus 72 anos – muito bem vividos, como faz questão de ressaltar – dona Idalina reforça a importância do fortalecimento do núcleo familiar. Por isto mesmo, faz questão de que as famílias participem intensamente das atividades realizadas pela Instituição junto às crianças. Para ela, dos dois aos cinco anos, idade abraçada pelo Patronato, a tarefa de educação e de valores pertence aos pais.

– Estamos aqui somente para ajudar, não para fazer o trabalho pelas famílias. Digo sempre que somos apenas secretárias delas, mas o trabalho maior é delas – explica ela, que cita o exemplo da Escola de Pais. – Temos dez reuniões anuais com rodas de conversas e palestras temáticas, e o comparecimento dos responsáveis é condição indispensável para a matrícula do próximo ano. Aceitamos, no máximo, três faltas justificadas.

Idalina lembra de outro programa que funcionou muito bem e fez sucesso entre as famílias. A creche convidou as mães a irem até o local para contar histórias infantis na biblioteca para seus filhos. Na verdade, não passou de mais uma forma de integrá-las ao processo de aprendizagem de seus filhos e acompanhar de perto seu desenvolvimento. O sucesso foi tremendo.

– As mães se empolgavam tanto que até se vestiam dos personagens das historinhas. As crianças amaram. Este ano, no segundo semestre, teremos novamente o projeto. Acredito que, para ser bem sucedido, um projeto como este tem que ter princípio, meio e fim. Planejamento, execução e avaliação. O que é para sempre não motiva, não gera uma expectativa.

A creche é o principal pilar da Organização. Para pleitear uma vaga os pais precisam ser moradores da cidade, provar que estão trabalhando e ter uma renda de até dois salários mínimos. Para sustentar toda esta estrutura, o Patronato sobrevive com subsídios da Prefeitura, doações espontâneas de voluntários e eventos pontuais, como o Arraiá d’Ajuda. A Diretora adjunta Lene Souza aponta outras formas de geração de renda que vêm sendo testadas no local.

– Temos o aluguel dos espaços, por exemplo, como o auditório, com capacidade para 200 pessoas, e o salão de festas, que comporta até 300. Muitos não sabem, mas temos um restaurante maravilhoso que funciona de quarta a sexta, com comida de alta qualidade num ambiente familiar, reservado e com estacionamento. O valor é R$ 49,90 o quilo ou R$ 35 para quem quer comer à vontade, com direito a uma sobremesa. Quem vem uma vez sempre volta – diz ela, destacando a imperdível feijoada servida no local todas as sextas-feiras.

Outra fonte de renda são os cursos profissionalizantes, para maiores de 18 anos, oferecidos anualmente pela Instituição, como de cabeleireiro, manicure, panificação, massoterapia, entre outros. Agora, todas as atenções e esforços estão voltados para o Arraiá d’Ajuda, que é uma das grandes formas de captação de verbas obtidas por meio das barraquinhas que são montadas no local e cuja renda total é revertida para as ações do Patronato. Este é o terceiro ano que a festa solidária acontece no shopping.

– Na festa em si sempre vai mais gente do que prevemos. No primeiro ano não esperávamos tamanha procura, a cidade deu um nó. O estacionamento do shopping contabilizou 165 mil pessoas nos três espaços. Ano passado, foram 120 mil. Para este ano já fizemos reuniões com a Prefeitura e com o shopping para minimizar ao máximo os impactos no trânsito – explica Lene.

Com entrada gratuita, o Arraiá d’Ajuda tem várias atrações para toda a família, com comidas e bebidas típicas, correio do amor, quadrilha, recreação infantil e apresentações musicais. Médicos, engenheiros, donas de casa, advogados, comerciários… Nos três dias de eventos todos são voluntários nessa grande corrente de solidariedade. Na opinião da Diretora, participar do evento é uma maneira de conhecer um pouco mais sobre a Organização e sua importância para a cidade e para as famílias atendidas.

– Como poucas instituições esta é muito séria, com envolvimento de muitas pessoas que se dedicam de corpo e alma. A gente precisa de dinheiro, é claro, mas o nosso maior patrimônio são aqueles que fazem tudo isso acontecer. Eu não conheço creche particular que tenha tudo o que tem aqui dentro. Bato palmas, em especial, para dona Idalina, que é ligada no 220, comandando tudo com muita força, amor e dedicação. Convido todos a conhecerem melhor o Patronato. Posso garantir que quem conhece a proposta se apaixona.

O Arraiá d’Ajuda acontece na sexta, dia 7 de junho, a partir das 18h; sábado, a partir das 15h, e, domingo, a partir de meio-dia.

Conta para doação

Banco Santander (033)
Agência 3217
Conta corrente 13000456-0
Sociedade Filantrópica São Vicente
CNPJ 28718369/0001-53

Contato e outras informações:

(21) 2669-5867
contato@patronato.org.br

Festa do Médico 2018

Não perca a maior festa da Associação Médica de Nova Iguaçu, Para mais informações:

marco.assomedni@gmail.com

Confira as datas do 7º Ciclo de Gestão e Marketing 2018

Confira as datas do 7º Ciclo de Gestão e Marketing 2018

  1. 21/08 das 18:30 às 20:30 – Gestão e Liderança: Zona de conforto ou Otimismo… Para aonde vamos?
  2. 28/08 das 18:30 às 20:30 – Redes Sociais: Conhecer o cliente e sua importância.
  3. 11/09 das 18:30 às 20:30 – Atendimento ao Cliente: Atender bem e com humanização.
  4. 18/09 das 18:30 às 20:30 – Missão, Visão e Valores: A forma mais simples e poderosa de inspirar, motivar e engajar todos em sua empresa.
  5. 25/09 das 18:30 às 20:30 – Marketing / Crise: ser eficiente ou eficaz?
  6. 06/11 das 18:30 às 20:30 – Clima Organizacional: Será que estamos no caminho certo?
  7. 13/11 das 18:30 às 20:30 – Atendimento ao cliente: Excelência no Atendimento.
  8. 27/11 das 18:30 às 20:30 – Mercado Baixada Fluminense: Por que tenho que evoluir e empreender?

Entrada: 1Kg de alimento não perecível

Para maiores informações:
Tel.: 97517-3101
E-mail: marco.amni@gmail.com

CREDENCIAMENTO PARA MÉDICOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAÚDE

O CISBAF – Consórcio Intermunicipal de Saúde da Baixada Fluminense está credenciando médicos (PJ) e prestadores de serviços de saúde que atuam em consultórios próprios, clínicas particulares e unidades de saúde. O objetivo é atender à enorme demanda por consultas de especialistas para diagnóstico e acompanhamento, bem como exames de média complexidade.

A entrega dos documentos deverá ser feita de segunda à sexta-feira, das 10h às 16h, na sede do Cisbaf – Av. Gov. Roberto da Silveira, nº. 2.012 / Parte – Posse – Nova Iguaçu – RJ.

Informações:

  • (21) 3102-1067
  • (21) 3102-0460
  • (21) 99108-1272 (WhatsApp)
  • (21) 98864-2869 (WhatsApp).

VEJA OS EDITAIS

Links das Tabelas CBHPM (AMB)

Tabelas AMB-CID-CBHPM

Confira abaixo todas as tabelas da Associação Médica Brasileira (AMB), do Código Internacional de Doenças (CID), e a Classificação Brasileira Hierárquica de Procedimentos Médicos (CBHPM):

AMB 90 AMB 92  Tabela CID  CBHPM – 4a Edição  Instruções e observações da CBHPM – 4a Edição  Divisões CBHPM – 4ª Edição  Instruções e observações da CBHPM – 2004  CBHPM de 1999 até 2005

CISBAF OFERECE VAGAS PARA MÉDICOS EM UPA

Ganhos podem chegar a R$ 9.000,00

O Consórcio Intermunicipal de Saúde da Baixada Fluminense – CISBAF abriu novo processo seletivo público simplificado para contratação de MÉDICO SOCORRISTA/PLANTONISTA (CLÍNICO GERAL E PEDIATRA) para lotação na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Jardim Íris, em São João de Meriti. O objetivo é preencher 12 vagas imediatas e formar um cadastro de reserva, conforme previsto no Edital 007/2018.
A remuneração é variável, conforme carga horária semanal, podendo chegar a R$ 8.000,00 + abono de R$ 1.000,00 (PEDIATRA 24 horas semanais – sexta, sábado ou domingo). Os candidatos serão pontuados segundo alguns critérios: maior tempo de experiência profissional na área de urgência e emergência 24h, maior tempo de experiência profissional na área de urgência e emergência 24h no SUS, e análise curricular.
O término do prazo de inscrição está previsto para o dia 19 de junho de 2018, às 17h. Não haverá pagamento de taxa. Informações sobre os requisitos e o Edital completo estão disponíveis no site do consórcio. As inscrições podem ser efetuadas, presencialmente na sede do CISBAF, ou pela internet através do site www.cisbaf.org.br / Processo Seletivo 007/2018.

SERVIÇO
Inscrições gratuitas: www.cisbaf.org.br / Processo Seletivo 007/2018
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSejYwv_W1UqVf6iffB0ExPUZCfIDhLRrtUu4mxKrPpJVzMiOA/viewform

Cronograma CardioIguaçu Atualização em grandes temas da Cardiologia

Cronograma CardioIguaçu Atualização em grandes temas da Cardiologia

No dia 4 de Agosto será o evento CardioIguaçu confira abaixo o cronograma do evento

Recepção

  • 08h00 – Welcome Coeffe
  • 08:30 – Abertura

Módulo Hipertensão » Coordenadores Dr. Paulo Sant’Ana e Dra. Sônia Zimbaro

  • 08:45 – Hipertensão sistólica do jovem e pré-hipertensão, como conduzir?
    Dr. Marco Mota (AL)
  • 09:00 – Opiniões de especialistas
    Existe anti-hipertensivo preferencial para populações especiais?
    Adultos jovens, diabéticos, obesos e idosos.
    Dr. Marco Mota (AL) e Dr. Antônio Carlos Spinelli (RN)
  • 09:15 – PWA – Agora podemos avaliar VOP e pressão central
    Dr. Marco Mota (AL)
  • 09:30 – Discussão

Módulo Cardiometabolismo » Coordenadores: Dra. Marlianne Leite e
Dra. Fabiana Britto

  • 09:45 – Novos antidiabéticos e risco cardiovascular: é possível reduzir o risco?
    Dr. Antônio Carlos Spinelli (RN)
  • 10:00 – Importância na prática clínica do acompanhamento nutricional na dislipidemia e prevenção cardiovascular.
    Dra. Vanessa Montera (RJ)
  • 10:15 – Discussão
  • 10:30 – Coeffe Break

Módulo IC e DAC » Coordenadores: Dr. Fabiano Ramos e Dr. José
Manuel Rodrigues

  • 11:00 – Terapêutica medicamentosa da IC crônica, cenário atual.
    Dr. Marcelo Montera (RJ)
  • 11:20 – Angina estável, tratamento contemporâneo.
    Dr. Bruno Mioto (SP)
  • 11:40 – Discussão

Respostas rápidas » Coordenadores: Dr. Abdon katter Filho e Dr. Edgard Quintella

  • 12:00 – Dupla antiagregação pós angioplastia em paciente com fibrilação atrial permanente, como conduzir?
    Dr. Maurício Rocha Júnior (RJ)
  • 12:10 – Projeto LATIM, uma realidade na baixada fluminense.
    Dr. Luiz Paulo Alves (RJ)
  • 12:20 – Próteses valvares – biológica ou mecânica?
    Dr. Ricardo Miguel Francisco (RJ)
  • 12:30 – TAVI e MitraClip, entendendo seu funcionamento e quando indicar.
    Dr. Esmeralci Ferreira (RJ)
  • 12:45 – Abordagem prática da FA do consultório. Manter ou não em sinusal?
    Quando posso suspender anticoagulação?
    Dr. Eduardo Andrea (RJ) e Dr. Bruno Andrea (RJ)
  • 13:00 – Discussão
  • 13:30 – Encerramento

Inscreva-se para CardioIguaçu

As inscrições estão abertas.

Este evento é destinado a profissionais, médicos e acadêmicos da área.

Dúvidas? envie um e-mail para: cardioiguacu@gmail.com

Oportunidade para médicos : Curso de Assistente Técnico em Perícia Médica

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE DE MERCADO!

Qualifique-se para atuar como Assistente Técnico em processos judiciais, através do ensino teórico e prático, aprendendo a elaborar pareceres e quesitos, peticionar ao juiz e condutas nas perícias. Aprenda a oferecer diferenciais e ter visibilidade no mercado.

CONTEÚDO: DIREITO MÉDICO, PROCESSO JUDICIAL E PERÍCIA, A ASSISTÊNCIA TÉCNICA E AS INOVAÇÕES DA PERÍCIA NO NOVO CPC

Palestrantes: Antonio Couto, Alex Souza, Oscar Cirne e Roberta Fernandes

Debatedores: Celso Boechat, Carlos Alberto Jaimovich, Jose Luíz Pacheco, José Manel de Oliveira, Julio Cesar Cury, Luis Carlos Prestes e Hildoberto Carneiro

Público-alvo: Médicos de todas as especialidades

09 de junho (sexta-feira) – 18h às 22h
10 de junho (sábado) – 8h às 18hs

Local: Hotel Laghetto
Av. Lúcio Costa n 5650 – Praia da Barra

Inscrições abertas Vagas limitadas

PATROCINADORES

APOIADORES

Realização

Inscrição:R$250,00
Informações com Bruno Couto:
(21)98181-5461/(21)2221-4819 bruno@acouto.com.br

A. Couto & Souza – Advogados Associados
Av. das Américas, 11599 – Loja A
Rio de Janeiro – RJ

OLHA O ESPAÇO CULTURAL 2018 AÍ GENTE!

Queridos associados segue abaixo o calendário 2018 de nossa famosa festa mensal e tradicional, a nossa seresta da amizade, da música e das artes.

Venha nos prestigiar, esse evento é seu…

Venha participar e entender por que é tão bom celebrar a amizade e a família AMNI. Saia do marasmo. Venha interagir!!

Queremos vocês aqui conosco!!!

CALENDÁRIO 2018:

  • 22/03
  • 26/04
  • 24/05
  • 28/06
  • 26/07
  • 30/08
  • 27/09
  • 25/10
  • 29/11
  • 20/12