Trabalho, correria, problemas familiares, estudos, entre tantas outras preocupações acumuladas durante nossa rotina diária, propiciam o surgimento de patologias e disfunções relacionadas ao estresse.

stressDe acordo com Hans Selye (1959), o estresse é um elemento inerente a toda doença, que produz certas modificações na estrutura e na composição química do corpo, as quais podem ser observadas e mensuradas. O estresse é o estado que se manifesta através da Síndrome Geral de Adaptação (SGA). Esta compreende: dilatação do córtex da suprarrenal, atrofia dos órgãos linfáticos e úlceras gastrintestinais, além de perda de peso e outras alterações. A SGA é um conjunto de respostas não específicas a uma lesão e desenvolve-se em três fases: fase de alarme, fase de resistência e fase de exaustão. Selye afirma que o estresse pode ser encontrado em qualquer das fases, embora suas manifestações sejam diferentes ao longo do tempo. Além disso, não é necessário que as três fases se desenvolvam para haver o registro da síndrome, uma vez que somente o estresse mais grave leva à fase de exaustão e à morte.

O estresse prolongado começa a desencadear reações físicas, entre elas: dores musculares, dores de cabeça, pressão alta, frigidez, queda de cabelo, azia, irritações na pele, gastrites, dores no intestino e, nas mulheres, alteração do ciclo menstrual e aumento da irritação; que em pessoas com problemas cardíacos pode agravar a situação. Nos sintomas emocionais estão a ansiedade, a culpa, a depressão e a raiva.

O primeiro passo para acabar com o estresse no trabalho ou no dia a dia é identificar a sua fonte e encontrar maneiras de combater os seus sintomas com mudanças de atitude e pensamento, alimentando ações e emoções contrárias àquelas causadas pelo estresse.

De acordo com pesquisas científicas, a atividade física é considerada como uma das principais formas de controle e combate do estresse. As pesquisas indicam que o exercício físico aeróbico (corrida, caminhada, natação etc.), mantido sem interrupção por 30 minutos, é capaz de levar nosso corpo a produzir uma substância chamada beta-endorfina, que dá uma sensação de conforto, prazer, alegria e bem-estar. O exercício físico também ajuda a combater dois problemas bastante atuais da área da saúde mental: a depressão e a ansiedade.

Concluindo, ao contrário do que muitos imaginam, não são necessárias longas horas de atividade física. Para aproveitar melhor seu tempo, basta incluí-las na rotina do seu dia a dia, combatendo o sedentarismo e os riscos que ele agrega.