Câncer é um nome generalizado usado para as doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células, que invadem tecidos e órgãos. Caracterizam-se pela divisão rápida de células, que tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores malignos, que podem espalhar-se para outras regiões do corpo.

Por outro lado, um tumor benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco de vida.

As causas de câncer são variadas, podendo ser externas ou internas ao organismo, estando inter-relacionadas. As causas externas referem-se ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de uma sociedade. As causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas, e estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas. Esses fatores causais podem interagir de várias formas, aumentando a probabilidade de transformações malignas nas células normais.

Os tumores ósseos não estão ligados a fatores externos.

É frequente o paciente associar um trauma ao crescimento de tumores.

Mas a grande maioria ainda possui etiologia desconhecida.

Alguns tumores benignos são relacionados à hereditariedade, exemplo disto é a osteocondromatose múltipla. .

De todos os outros casos, 80% a 90% dos cânceres estão associados a fatores ambientais. Alguns deles são bem conhecidos:

o cigarro pode causar câncer de pulmão, a exposição excessiva ao sol pode causar câncer de pele, e alguns vírus podem causar câncer do colo do útero. Outros estão em estudo, como alguns componentes dos alimentos ou medicamentos que ingerimos, muitos ainda completamente desconhecidos.

Os fatores de risco ambientais de câncer atuam alterando a estrutura genética (DNA) das células, portanto, algumas pessoas estarão suscetíveis aos mesmos fatores de risco, podendo uns desenvolver o câncer e outros não. O envelhecimento traz mudanças nas células, que aumentam a sua suscetibilidade à transformação maligna. Isso, somado ao fato de as células das pessoas idosas terem sido expostas por mais tempo aos diferentes fatores de risco para câncer, explica em parte o porquê de o câncer ser mais frequente nessa idade.

tabelaO fator genético exerce um importante papel na história do câncer. Alguns tipos de câncer de mama, estômago e intestino parecem ter um forte componente familiar, embora não se possa afastar a hipótese de exposição dos membros da família a uma causa comum.

Alguns dos fatores externos estão listados em tabela anexa e devem ser evitados a fim de reduzir o risco de câncer. Assim como os fatores protetores devem ser lembrados.

Pacientes com câncer ou suspeita dele devem ter acompanhamento oncológico adequado e, se houver relação genética, a família deve ser orientada.

luma-duarte-barbosa