disf mandibolar banner

jundiair filhoA disfunção temporomandibular (DTM) acometem inúmeros problemas clínicos na articulação temporomandibular, as estruturas envolvidas sofrem com as intercorrencias da má oclusão dentária ou devido a perda de dentes levando o individuo ao desalinhamento articular. Cerca de 90% da população, são acometidos de problemas nessa ar- ticulação.

Contudo, apenas duas em dez pessoas com estes sinais e sintomas  o reportam ao seu medico. Das pessoas que apresentam um ou mais sinais de DTM, somente 5% procuram tratamento preventivo. A maioria só busca tratamento, quando ocorrem as limitações e as dores.

A etiologia da DTM possui caráter multifatorial decorrente de diversos fatores que modificam o equilíbrio estático e dinâmico dos componentes do sistema craniocervicomandibular.

A DTM pode ocorre em todas as faixas etárias, mas a sua maior prevalência é entre 20 e 50 anos. A incidência é maior no sexo feminino, principalmente em idade  reprodutiva, diminuindo após a menopausa, sugerindo uma participação de hormônios reprodutivos no desenvolvimento e manutenção da DTM.

Exame clínico:
Primeiramente, com os dedos indicadores, posicionados ao mesmo tempo sobre os côndilos de cada lado da cabeça, localizado a frente do tragus. Peça a seu paciente que de inicio do movimento na abertura da boca, acompanhe o deslocamento rotacional para frente e para baixo do côndilo. Caso ocorra de um dos lados um deslocamento diferente, você já pode encaminhar para tratamento.

Faça agora as perguntas relacionadas abaixo:

  1. Se ele tem dificuldade para abrir a boca em sua amplitude máxima?

  2. Observe se quando abre sua boca, a mandíbula desvia sua trajetória?

  3. Dor de cabeça constante, ouvido, região articular e dor hemi craniana?

  4. Percepção de apertar ou ranger os dentes?

  5. Você acorda com dor de cabeça e cansaço na musculatura da face?

  6. Se ele considera ser uma pessoa tensa; nervosa; ansiosa e ou reativa?

  7. Percebe sons (tipo estalido) próximos aos ouvidos ao abrir ou fechar a boca?

  8. Pergunte se já travou a mandíbula com sua boca aberta ou fechada?

  9. Sente dificuldade ou cansaço na mastigação, ou dor na muscular ao se alimentar?

 

Prezado Doutor.

Atentando-se em caso de resposta positiva a uma ou mais questões relacionadas acima. Faça um ultimo exame: posicione seu paciente em local de boa iluminação e verifique se os dentes anteriores (incisivos) apresentam desgaste no bordo incisal, fraturas verticais ou seu bordo incisal está irregular (quebradiço), bem como, a simetria morfológica de ambos os lados das arcadas e da face. Com os dentes caninos verifique se apresentam desgaste nas pontas que se encaixam perfeitamente, nos dentes antagonistas (arcada inferior e superior) quando manipular a mandíbula em movimentos de lateralidade para consubstanciar o bruxismo.

Espero com este artigo auxiliá-lo a identificar as dores do seu paciente e ao diagnostico positivo de DTM.